sexta-feira, 14 de outubro de 2016

de cu

Pseudo haiku
de cu, mesmo
..............................................
As if
até parece
que você não me conhece
até parece

poema para o meu amor

você está comigo
nas unhas dos meus dedos das mãos 
nas unhas dos meus dedos dos pés
você era, inclusive, do meu signo
você não fumava
mas tomava
um aperitivo
antes das refeições
você tinha fome de vida
você me chamava de amiga
meu para todo sempre
melhor amigo
você queria mudar meu destino
para melhor
meu querido
meu querido avô
Celestino
a estrela
que não cai
meu avô que era meu pai
você sempre estará
comigo

Lola Davi

domingo, 18 de setembro de 2016

Cromofilia

Até onde

ousa

um horizonte

lascivo


luminosa campina

de trigo

abaixo

do teu umbigo.


Laurene Veras

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

de mim não se pode dizer
não deixo rastro em nenhuma realidade
um vazio
a marca de um quadro retirado
da parede coberta pela folhagem

termino
desapareço
sem horizonte
sem recomeço

sexta-feira, 22 de julho de 2016

banho

no chuveiro
nem te falo
pensei em você
o poema escorreu pelo meu corpo
desceu pelas pernas
fez um espiral
que pena

sumiu no ralo

Lola Davi

sábado, 16 de abril de 2016

cerejeira

minha força vem
de todas as vezes em que precisei me curvar
de cada insulto que aceitei engolir
de todas as mentiras em que consegui acreditar

minha gana, meu bem
vem de cada verdade que não te gritei
de cada abandono que não te deixei
de todo perdão desperdiçado
do meu eu arrebentado
do meu amor, que não era vidro
e se estilhaçou
junto comigo

o meu poder
é hoje me ser

diferente
do que você pensa
(e ao contrário de você)
eu, por dentro
sou imensa
e não paro
de florescer

sexta-feira, 11 de março de 2016

dia desses nos encontramos
eu e meu desespero

sorrimos
como velhos conhecidos

passamos ao largo
em respeitoso silêncio
quase comovidos

nosso assunto
era já antigo

Laurene Veras

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

vem, brisa
vem, me refresca
me tira a camisa
me venta
me sopra
me lambe
me avisa
que a noite
é lufada
chegada
e partida
de vela enfunada
horizonte
e toada
vem, meu amor
vem ser minha estrada

Laurene Veras

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

domingo, 17 de janeiro de 2016

casa vazia

na poeira deixada pelos móveis
nas paredes os contornos dos quadros
no azuleijo uma mancha
de bebida derramada

sem sorrir
te acenarei
em uma fotografia desbotada

Lola Davi