quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Magia e Felicidade




"Benjamin disse, certa vez, que a primeira experiência que a criança tem do mundo não é a de que "os adultos são mais fortes, mas sua incapacidade de magia". A afirmação, proferida sob o efeito de uma dose de vinte miligramas de mescalina, não é, por isso, menos exata. É provável, aliás, que a invencível tristeza que às vezes toma conta das crianças nasça precisamente dessa consciência de não serem capazes de magia. O que podemos alcançar por nossos méritos e esforço não pode nos tornar realmente felizes. Só a magia pode fazê-lo. Isso não passou despercebido ao gênio infantil de Mozart, que, em carta a Bullinger, vislumbrou com precisão a secreta solidariedade entre magia e felicidade: "viver bem e viver feliz são duas coisas diferentes, e a segunda, sem alguma magia, certamente não me tocará. Para isso, deveria acontecer algo verdadeiramente fora do natural.""

Magia e Felicidade
do livro Profanações
de Giorgio Agamben
...........................................................................
Hoje eu estava na janela quando vi um beija flor pousado em uma folha de árvore. Instantaneamente me ocorreu que eu nunca havia visto um beija flor sem que ele estivesse batendo as asas, flutuando no ar. Achei aquilo inédito, incrível, e por inaudito, mágico. Acho que naquele momento eu fui genuinamente feliz.
..............................
Wallpaper de dezembro da Lupe.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

GRAFAR

A charge acima é do Edgar Vasques, que recebeu menção honrosa na premiação promovida pela ARI - Associação Riograndense de Imprensa - em 2009. Aproveito pra divulgar o blog da GRAFAR - Grafistas Associados do Rio Grande do Sul. Pra conhecer o blog e mais do trabalho dessa turma clica aqui: Tinta China

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

A arte espia da janela

Final de ano, trabalhos de final de semestre letivo, festas de confraternização. Amigos que voltam pra longe( Maria Cristina, vc ainda vem de muda pra cá!), amigos que voltam de longe(Eve querido, madmoiselle Lulu). Por isso poucos posts. Mas amanhã tem um lance muito legal no Studio Clio e colo abaixo o convite do site:

"No dia 19 de dezembro, às 11 horas, o artista plástico Leandro Selister inaugura um novo projeto nas janelas do StudioClio. "Macro-Micro" coloca detalhes das aquarelas de José Lutzenberger ampliadas em grandes proporções, integradas à paisagem por meio da fachada do StudioClio. Na ocasião será lançado o endereço virtual www.lutzenberger.com.br, uma iniciativa de Rose e Madalena Lutzenberger, filhas do artista, com a curadoria de Selister. A estreia do site coloca na rede a coleção Porto Alegre Antigo, na qual Lutzenberger, utilizando aquarela e bicos de pena, retrata com abordagens objetivas de cenas e personagens o cotidiano da capital gaúcha nos anos 50."

Para mais informações sobre o Studio Clio clica aqui.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Feitos relevantes, senda de vitórias


Luís Augusto Fischer lança no StudioClio o livro 'Inteligência com Dor', no qual analisa as crônicas de Nelson Rodrigues, especialmente aquelas reunidas sob o título de 'Confissões'. Para Fischer, o Nelson que surge da leitura desses textos não era apenas cronista, mas ensaísta. Na verdade, o livro defende a tese de que Nelson é uma espécie de Montaigne (o fundador do gênero ensaio) brasileiro. O livro é uma publicação da Arquipélago Editorial.

Na ocasião haverá um debate com a participação de Cláudia Laitano, Lucia Serrano Pereira eSergius Gonzaga.

com Luís Augusto Fischer, Cláudia Laitano, Lucia Serrano e Sergius Gonzaga
Data 04 de dezembro, sexta-feira
Horário 19h30

...............................................
O texto eu copiei tal e qual o convite do Studio Clio. Já tive a oportunidade de ver o Fischer falar sobre esta comparação entre Nelson Rodrigues e Montaigne e posso dizer que é bem legal!
.....................................
Aproveitando que o Internacional vai ser campeão brasileiro no domingo, na foto do post, tchanaaaaaam, Luis Augusto Colorado Fischer! :D

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Caio, Clarice, Cortázar e nós!

Neste domingo a literatura e as artes plásticas vão tomar um chopp na beira do rio, ali no cais. Como eu amo essa cidade!
Clica na imagem pra ver melhor.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Cartunistas + gaúchos = Final de semana em Santa Maria



Sexta-feira começa a sexta edição do CARTUCHO, em Santa Maria, e este ano o homenageado é o nosso bravo Luis Fernando Verissimo. Não posso ir, chuinfs, por motivo de final de semestre letivo maior...chuinfs...
Bueno, eu não vou, mas a mana vai, junto com outras pessoinhas queridas e talentosas, o Gui Moojen, o Mau Mau...
Pra ver o trabalho da mana clica aqui.
Do Guilherme Moojen, aqui.
Do Mau Mau aqui.
Programação do CARTUCHO aqui.
E obrigada a Lise por me enviar os endereços dos blogs dos meninos.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Alien apartheid




Melhor filme de ficção científica que assisti nos últimos anos, pra quem gosta do gênero já é um clássico, pra quem não curte tanto pode-se dizer que é um filme que fala sobre a natureza humana. Imagina uma nave alienígena tripulada que vem parar aqui sem querer, imagina que eles não pairam sobre a Casa Branca, mas sobre a Africa do Sul. Lá eles são segregados e há planos de um campo de concentração para alienígenas. Simula um documentário, narrativa frenética, baita filme de ação, e de quebra ainda faz a gente sair do cinema pensando. Eu to pensando até agora em quando será que vai sair o 2...
Para visitar o site oficial, clica aqui.
E pensar que só o que eles queriam era voltar para casa!

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Jubiabá


versos de mola

conceitos antitéticos
um o avesso do outro
inversão fundamental
o avesso do avesso
no verso
redundando em espiral

Laurene Veras
............................................
Na ilustração uma palhinha do trabalho do Spacca. Seria bom, né, ver os adolescentes de braços dados com o Machado...mas com a escola do jeito que tá, tsc, tsc. Bueno, pra ver mais do belíssimo trabalho desse paulistano talentoso, clica aqui. O Spacca também tá lançando uma graphic novel adaptada de Jubiabá, do Jorge Amado. É a estória de um capoeirista, traço lindo, confesso que eu não conhecia o livro, entrando no site dá pra ir pro blog de Jubiabá.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Rosa e um poema

Caixa

Está tudo errado!
O certo
não é este lado.
Este lado
para cima.
Frágil -
Cuidado

Laurene Veras
.....................................................
O poema é meia boca, mas é meu. Já o Guto Leite é nota 10, então não perde que esse é o melhor programa pra hoje!

terça-feira, 3 de novembro de 2009

A Luz do Dia


Aproveitando que estamos em plena Feira do Livro de Porto Alegre vou deixar uma dica de leitura que há uns anos atrás se encontrava nos saldos por muito pouco e que vale muito muito. "O amor de Pedro por João ou O dia em que Dorival encarou a guarda". É um nome comprido mas é esse mesmo. Esses dias a professora Regina Zilberman, que está ministrando uma disciplina sobre literatura e memória, nos pediu para ler este romance do gaúcho Tabajara Ruas e devo ter dado um pulo na cadeira, seria a terceira vez em que eu acompanharia as aventuras e tragédias de Marcelo, Hermes, Micuim e Bia. A incrível viagem de Sepé e do velho João Guiné rumo a um encontro heróico e incerto. A tensão de Dorival, Aninha e Alemão em Santiago do Chile. O orgulho e a dúvida de Josias - "O nome dele é Sepé Tiarajú, a Luz do Dia!"-, o idealismo e a loucura do padrinho Degrazzia. É uma estória sobre luta, política, liberdade, barbárie, mas essencialmente, é sobre amor, não especificamente o amor romântico, mas um amor ainda maior porque abarca também esse. Ouso dizer que é a história daquele amor pela vida ao qual o próprio capitão Rodrigo Cambará do Érico Veríssimo sempre se referia, aquilo que fazia a ele e gerações depois ao Doutor Rodrigo Terra Cambará dizerem: Como é bom estar vivo!
Se um dia nos encontrarmos, como um leitor atento, ele lerá nos meus olhos que a boa literatura tem muito a ver com esse entusiasmo dionisíaco de um João Guiné. Que ler os romances dele é apaixonar-se genuinamente por um livro. Que um ato de leitura, é sim, um ato de amor.
Leia, e lembre-se.

domingo, 25 de outubro de 2009

Pérola Negra, te amo, te amo

Americana, estreou em Paris em 1925. Dançava quase nua, teve inúmeros maridos e amantes. Sofreu maus tratos no Missouri racista, participou da resistência francesa durante a segunda guerra, recebeu condecorações, escandalizou e seduziu o mundo. Elegi a minha pin-up: Josephine Baker. Amava Berlim e Paris, e foi por ambos também amada e muitas vezes repudiada. Não tendo constituído família, adotou 12 crianças órfãs. E vocês aí pensando que Angelina Jolie era vanguarda, né? ;D


segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Fábulas de Renan


A ilustração acima é assinada por John Tenniel, ilustrador inglês do século XIX, sobre Alice no país das maravilhas de Lewis Carroll. Genial, mas na verdade eu o estou homenageando pra ilustrar um post sobre um designer brasileiro fantástico chamado Renan Santos. O cara tem só 23 anos e tem um trabalho muito impressionante. Pra quem quiser ver ao vivo, tem uma exposição de alguns quadros do Renan no Pinacoteca Bar(Rua da República, 409), na Cidade Baixa, em Porto Alegre. As ilustrações desta exposição tem algo de ilustrações de livros infantis antigos, as figuras são na sua maior parte de animais humanizados, fabulosos, alguns sutilmente lúbricos, tchê, é uma coisa de louco. Estive lá na quinta passada e todos os quadros, com exceção de um, já estavam vendidos. Pra completar, os quadros são complementados por molduras de antiquário, é uma viagem no tempo e na imaginação. Não consegui postar nada do Renan aqui porque provavelmente ele muito sabiamente protege suas imagens na web, mas basta entrar no flickr dele, aqui, e no site, aqui, pra conhecer e inevitavelmente virar fã. Que nem eu.
..................................
Quanto ao Pinacoteca é um bar muito charmoso, comidinhas deliciosas, pessoal bacana, atendimento tri bom, e de quebra os caras disponibilizam o espaço para manifestações artísticas. Os valores são acessíveis, a Polar tá R$5,50, então é sem poréns, só coisa boa. Tá esperando o que? Pega o guarda-chuva e antecipa o happy hour!

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Uma estória triste


Terminei há uma semana o Olga, do Fernando Morais. É um livro bastante triste, porque é uma estória cheia de detalhes tristes. Mas é uma estória também comovente e bem contada, e uma aula de História. Olga nasceu na Alemanha e era militante comunista desde os 15 anos de idade. A trajetória dela na Juventude Comunista e mais tarde no alto escalão do partido é bastante impressionante. Apaixonada por estratégia militar, em nome do comunismo a moça aprendeu até mesmo a pilotar aviões. Olga era mulher de Luis Carlos Prestes e estava grávida quando foi levada para uma prisão diferente da do marido, logo após a intentona comunista. O sistema de comunicação e solidariedade no cárcere repleto de presos políticos , dentre eles Graciliano Ramos e Barão de Itararé, especialmente nas tentativas de impedirem esta Olga comunista e judia de ser deportada para a Alemanha nazista, é impressionante e dramático. O partidão também não era nenhum santo e entrarei nesse assunto depois de ler o outro lado da moeda, o que começo amanhã, mas é sempre chocante ver como a barbárie é capaz de enlamear a História de ideais de fraternidade e afins.
Um dos muitos fatos impressionantes do livro é a fibra e obstinação espartana dessa mulher. Por onde ela passava invariavalmente havia resistência e luta por dignidade. Não estou exagerando, é muito impressionante mesmo. Ela tinha bicho carpinteiro, como diz a minha avó.
Olga Benário foi executada em um campo de concentração quando tinha a minha idade. A filha estava a salvo graças à mãe de Prestes.
Sem dúvida alguma houve uma mudança, porque o mundo nunca mais foi o mesmo, nem nunca mais será. Só que ainda estamos tentando entender uma civilização que involui tão drasticamente.
É um livro extremamente triste. Mas a História tem dessas coisas, e muito mais do que se gosta de lembrar.
Leia e lembre-se.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Brechó on line


Numa troca de mails com a Maria Julia me dei conta de que ainda não tinha divulgado o brechó dela aqui, e acho que vale a pena, então lá vai: Coisas de Maria Brechó, é 3b's, bom, bonito e barato, como esse blazer tudibom de veludo da Zara. No blog constam o tamanho, foto, tempo de uso e valor dos objetos, sem contar o frete. Tem blusas, casacos, calças, saias, vestidos, bolsas, cintos, sapatos, tênis, chapéus, ih, é praticamente um brechó de departamentos!Dá uma olhadinha lá, primavera, roupitchas diferentes...hum? A Maria é formada em moda e tem um bom gosto nato, então é o seguinte: Só biscoito fino! Entra aqui.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Eu quero um unicórnio!

Como é que pode além de ser tão talentosa a Lupe me entender tão bem? Clica na imagem pra ver ampliado. E pra ver mais da Lupe clica no nome dela aqui do lado esquerdo, nos meus links.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Pra ninguém dizer que só penso em estudar!*



*Juro que jamais pensei em me referir a mim mesma dessa forma. Oh deus, eu virei uma cdf, uma nerd legítima!Injeção e compressas de cerveja, rápido!
Tá esperando o que pra clicar no vídeo ô mané? Festa boa e uma comemoração especialíssima.
Tá dado o recado e acabou-se o doce, quem comeu regalou-se. E agora dá licença que tenho que estudar...
:p

E enquanto os homens exercem seus podres poderes...


Esses tempos fiz um post sobre uma entrevista divertidíssima que o Caetano deu para o programa Vox Populi da rede Cultura em 1978 mas não tinha o link para a entrevista. Bom, agora eu tenho. Pensei que tava na íntegra mas o Guto acaba de me avisar que é só um pedacinho (brigada pelo toque Guto!) . Pena. Mas tá valendo.
Tá esperando o que? Dom Sebastião? Clica aqui!
............................
Obrigada ao Ricardo por me enviar o link. Smack!

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

amor e barbárie

Vi o filme no cinema e não gostei muito. Li o romance agora, por exigência de uma disciplina para a faculdade, é mais interessante, muito mais melancólico e denso. Não gostei especialmente do estilo de Schlink, apesar de não poder ler no idioma original. Filósofo, Schlink pratica uma narrativa bastante objetiva, um tanto mais do que costuma me agradar. Seco, de frases curtas e diálogos econômicos. Entretanto é bom em descrições e sugestões, ficando muito longe de ser superficial. É uma história bela e terrível, cheia de perguntas que a gente termina o livro sem conseguir responder, daquelas perguntas que vão restando no decorrer da vida, hipóteses, não sobre o livro, mas sobre nós. O filme vale pela Kate Winslet. O livro vale por ser um espelho maravilhoso e aterrador.
Vargas Llosa defende que é disso que são feitos os bons livros.
De refletir.
..............................
O Leitor
Bernhard Schlink
Editora Record, 2009.
.......................................
Leitura fluída, romance curto, uma tarde e até uma noite dão conta do livro todo.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Floriano Cambará



"Compreendia agora que o preço do equilíbrio é a monotonia. A preocupação de não se deixar envolver pelas pessoas, pelos problemas e pelas paixões havia-o levado a uma espécie de quietismo que no fundo não passava da contemplação inútil e palerma do próprio umbigo."

O retrato
O tempo e o vento
Erico Veríssimo
........................................
Yuken Teruya. Mais aqui.

A Grande Guerra e Santa Fé



Ainda lendo O tempo e o vento. É 1915, em plena Primeira Guerra Mundial, o Dr Rodrigo vai ao único cinema de Santa Fé com a esposa Flora. Antes do filme aparecem cenas da campanha alemã e o cinema explode numa vaia quase unânime. Quase por causa dos colonos de origem germânica, que naturalmente são pró Alemanha.
A primeira diva é Leda Gys, atriz do cinematógrafo, a favorita do Dr Rodrigo Terra Cambará, bisneto do famigerado Capitão Rodrigo Cambará. A segunda é Pina Menichelli.

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Da janela

Calor senegalês. Mulher grita para o marido do outro lado da rua:
-Traz pão!
Uma voz de criança completa:
-E picolé!
-Tem picolé em casa.
-Eu comi tudo!
..............................................
Na foto, Shirley Temple.

sábado, 29 de agosto de 2009

Martin Fierro




Aproveitando que estamos entrando no mês do gaúcho por conta das comemorações da revolução farroupilha, deixo aqui uma dica de filme. É uma animação de 2008, coprodução Argentina/Espanha, belíssima, inspirada no poema de José Hernandéz de 1872. Uma realização primorosa e emocionante, de los dibujos a la musica. Este regalo eu devo a minha querida amiga e colega Maria, pesquisadora estudiosa da obra de Erico Veríssimo e apreciadora da cultura del gaucho pampeano. Mais uma vez obrigada Maria, pelo filme e pelo carinho, é um privilégio estudar e aprender com vc.
...............................
Dá pra fazer o download da película aqui ó, clica aqui.

Buenas e me espalho, nos pequenos dou de prancha e nos grandes dou de talho!*



Aí peonada, quando um burro fala o outro baixa as orelha, então o negócio é o seguinte: Maratona literária em setembro, direto do acampamento farroupilha no parque Harmonia. Oigalê! 18 de setembro, no piquete da leitura.
Mais detalhes no blog da maratona literária, clica aqui.
..........................................
Pintura do Nelson Jungbluth
...........................
* Assim é que o Capitão Rodrigo se apresenta qdo chega em Santa Fé, no Tempo e o Vento do Erico Veríssimo.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

De cama

Esta é uma foto recente de Laurene Veras tirada logo após a mesma ter caído enferma. Em entrevista à revista "Who cares?", Laurene declarou que o pior de tudo é a sensação de ossos liquefeitos, certamente uma marca da condição humana pós-moderna, que agora não mais sofre de vazio existencial mas antes pena amargamente com o vazio na carteira e na conta bancária. Desejamos à ilustríssima anônima proprietária deste blog uma recuperação rápida para que ela possa voltar à se queixar da vida sem motivos relevantes e deixar-se ficar na cama por qualquer motivo menos frustrante do que a incapacidade de manter-se em pé por mais de um par de minutos.

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Ou não...


Sábado a noite zappeando e me deparei com uma entrevista que o Caetano Veloso deu para o programa Vox Populi da TV Cultura em 1978. Foi melhor que ir ao cinema! O Caetano com aquele jeitinho bichogrilístico que lhe cai tão bem, enrolando os caracóis dos seus cabelos nas pontas dos dedos e respondendo - ou não - perguntas de pessoas de diversas áreas, dentre elas Jorge Mautner e Décio Pignatari. Algumas respostas realmente eram mt divertidas pq ele divagava tanto que não dava pra entender onde se ia chegar, se é que havia um ponto de chegada...Outras vezes ele se contradizia, docemente. Se enfureceu com um crítico do jornalismo cultural e daí não teve "ou não", chamou o cara de burro e ignorante, e ao que parece, com propriedade. Numa das perguntas, em vez de resposta tradicional, cantarolou tda "Sampa", lindamente, e em outro momento explicou alguns versos da música, que na verdade são citações/homenagens. Mas o melhor de td, a cereja do sunday, ao ouvir a seguinte pergunta: "Quem é Caetano Veloso?".
Placida e desaforadamente, Caetano transcende e eu aplaudo:
"Sou eu."
.....................................................
A polêmica no programa, sobre a gíria "curtir", impagável. Não sei se o vídeo está disponível na net, mas vale a pena.

O Continente sob a luz da psicanálise

Amanhã na Saraiva do shopping Moinhos tem uma palestra mt legal sobre o Tempo e o Vento. Como estou estudando a obra esse semestre não quero perder, e deixo aqui o convite pra quem, como eu, concorda com o Juvenal Terra quando dizia sobre o Capitão Rodrigo que "o diabo do homem tem feitiço!". Vou e aproveito pra confrontar minhas teses do Hospício Itinerante, segundo as quais o Pedro Missioneiro era esquizofrênico; o Capitão Rodrigo Cambará, aquele homem encantador e endiabrado, bipolar; o Bolívar Cambará, filho do capitão, um ansioso crônico; a mulher do Bolívar, Luzia - apelidada pelo dr Winter de Teiniaguá - era histérica; o Licurgo era só mais grosso que dedão destroncado mesmo, rs, mas o filho dele, o Dr Rodrigo Terra Cambará, um egolátra patológico, mas esse ainda to submetendo a estudo de caso, rs.
Em defesa da Teiniaguá, deixo dito que tive pena dela. Uma mulher que estudou na côrte presa naquele fim de mundo de Santa Fé só podia ficar lelé, até eu ficaria, se eu de fato já não fosse...

Laura e Maria

Ilustração da Laura George, que deixo aqui como uma mensagem de incentivo à tds que como eu, estão apavorados com as tarefas do novo semestre letivo, rs. Justiça seja feita, conheci o trabalho da Laura no blog da Maria Julia, que é fantástico, então eu dei uma surrupiada na ilustração que a Julia postou, e aproveito pra dar a deixa dessas duas talentosas internéticas: Pra conhecer mais de Laura George, clica aqui. Pra mais Maria Julia, aqui. E lembrem-se: Don't panic!
.........................................
Brigada Julita!
.............................................

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Cute Coffee Monsters

Tava aqui me engalfinhando numa briga de foice com um teórico chamado Assmann (sim, este é o nome dele!) e ponderando, com medo da insônia, tomo um café, não tomo um café, tomo um café...daí lembrei os Coffee Monsters, personagens fofos da Samanta Flôor, uma arquiteta/ilustradora cujo trabalho conheci esses dias e adorei. A Samanta tá na foto que publiquei esses tempos, das meninas que fazem quadrinhos em Porto Alegre. Pra conhecer mais, clica aqui. E tb aqui.

Coffee break


Começou o segundo semestre e na real eu nem tive férias pq estava terminando os trabalhos que tinha de entregar e lendo o necessário para as disciplinas seguintes. Primeiro dia de aula e já tenho mais ou menos umas 150 páginas para resenhar para a semana que vem, a maior parte não está em português, o que não é problema mas demanda um pouco mais de tempo pq a leitura não é tão fluída qto no nosso judiado idioma. Ou seja, a partir de agora, cafeína é meu primeiro nome, e endorfina o sobrenome. Viva o café, eu adoro café, é gostoso, é cheiroso, não engorda, dá um pique, acelera o metabolismo, enfim, um cafezinho na medida certa é o ouro. Vai daí que eu andava bisbilhotando o trabalho da minha ilustradora favorita, a Lupe, e encontrei a ilustração perfeita pra esse post. Tb me dei conta de que ainda não tinha linkado o blog dela, então se quiser mais Lupe (fala sério, quem não quer mais desenhos da Lupe?), inclusive wallpapers exclusivos td mês, entra aqui.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Chiqsland

Pra quem tb curte arte moderna, hj acontece a abertura da exposição dos quadrinhos dessa menina maluquinha e talentosa, a Chiquinha. Lá no Studio Clio, 19:30 hs. Vamos?
Pra conhecer mais do trabalho da Chiquinha, clica aqui.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Um certo Capitão Rodrigo



"Pouco mais de um mês depois da noite do duelo, Rodrigo deixou a cama pela primeira vez, com os membros lassos, a cabeça ôca e tonta. Caminhou até a porta da casa de Juvenal e quando olhou para a praça e avistou a figueira grande, sentiu que amava aquela árvore, aquele chão, aquele povoado. Entrecerrou os olhos, focou-os na casa de Pedro Terra e, pensando em Bibiana, concluiu que era bom, muito bom estar vivo. Quando caiu em sim, as lágrimas lhe escorriam pelas barbas. Ao perceber que estava chorando, achou a coisa tão engraçada, que começou a rir, primeiro baixinho, depois numa gargalhada. E quanto mais ria, mais as lágrimas lhe vinham aos olhos. E pareceu-lhe que o riso e as lágrimas lhe aumentavam a fraqueza, e ao mesmo tempo a fraqueza lhe produzia mais riso e mais lágrimas. Teve de se apoiar na parede para não cair. Ergueu o olhar para o céu, o sol bateu-lhe em cheio na cara, como que lhe prendeu fogo nas barbas. Estar vivo, recobrar as forças, poder de novo montar a cavalo, andar à toa, livre, conversar com as pessoas, dedilhar a viola, cantar, jogar... E, principalmente, poder de novo ter mulher, comer e beber!"
..............................................


"- Se eu fosse dono do mundo, fazia algumas mudanças...
- Por exemplo...- pediu o padre.
- Acabava com essa história de trabalhar...

- Sim, e depois?

- Fazia os filhos virem ao mundo de outro jeito. Eu vi o que a Bibiana sofreu. É medonho.
O vigário sorria. Aquelas palavras, partidas dum egoísta, não deixavam de ter seu valor.

-E depois?

- Dividia essas grandes sesmarias de homens como o Cel. Amaral.
- Dividia? Como? Pra que?

- Dividia e dava um pedaço pra cada peão, pra cada índio, pra cada negro.

- Não vá me dizer que ia libertar os escravos...

- E por que não? Acabava com a escravatura imediatamente.

(...)

- Ah! Eu ia me esquecendo! Pra principiar, fazia o mundo mais pequeno, pra gente poder atravessar todo ele a cavalo, sem levar muito tempo.

- E como é que vosmecê ia se arranjar, indo de um país pra outro sem conhecer outra língua senão a sua?

- Eu acabava com esse negócio de línguas diferentes...

Rodrigo fez uma pausa e ficou pensativo.
- Que mais?
- Acabava também com a velhice.

- Acabava?
- Quero dizer, ninguém envelhecia mais...
- Nem morria?

- Morrer...morria. Mas se morria era de desastre, nos duelos, nas guerras.

O vigário mordeu o palito, fez avançar a cabeça na direção do outro:

- Vosmecê não ia também acabar com as guerras?

Rodrigo por instante pareceu confuso. Depois repondeu, lento:

- Bom...Acabar de todo, não acabava. Porque guerra é divertimento de homem. Sem uma guerrinha de vez em quando ficava tudo muito enjoado.
- Ia ser um mundo bem esquisito...

- Mas não mais esquisito que este nosso, padre.

- Se Deus fez o mundo assim foi porque achou que era o direito.
- Mas hai muita coisa torta por aí.

- Que há, há...
"
.............................................

"Um dia passava a cavalo por uma casa quando viu um branco espancando um escravo; apeou e espancou o branco, deixando-o deitado no chão, quase sem sentidos. De outra feita viu dois homens que em pleno campo atacavam um viajante. Rodrigo não conhecia nenhum deles, mas achou que não podia passar ao largo. "Dois contra um é cobardia!" - gritou. Saltou do cavalo, puxou a adaga e entrou na luta. Voltou para casa trazendo o desconhecido que livrara dos assaltantes. Estavam ambos com as mãos e o rosto cheios de talhos de faca. Chegaram sangrando mas sorrindo, recordando a briga e dando grandes risadas. Fecharam-se na sala da venda e tomaram juntos uma bebedeira.
(...) Um dia viu um índio chicotear um burro que, emperrado, se recusava a andar. "Não surre a criatura!" - gritou. O outro não lhe deu ouvidos e continuou a maltratar o animal. Rodrigo ficou vermelho, precipitou-se para o índio, tirou-lhe o chicote das mãos e começou a fustigar-lhe as costas, os braços, as pernas, até que o pobre-diabo, assustado, desandou a correr. Essas histórias - sabia Bibiana - eram contadas e espalhadas pelo povoado e pelas vizinhanças. Muitos as comentavam com simpatia e concluiam: " O Cap. Cambará é um homem de bom coração." Mas outros deduziam que ele era antes de mais nada um desordeiro. Bibiana, porém, preferia resumir seus sentimentos numa frase: "É meu marido e eu gosto dele.""
........................................
de
O TEMPO E O VENTO

ERICO VERÍSSIMO
......................................
Na foto, Tarcisio Meira, qdo interpretou o Cap. Rodrigo na TV.
....................................
O Cap. Rodrigo do meu devaneio é um pouco diferente do Tarcisão, mas tb tem esse jeito malandro que ele soube interpretar tão bem.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Macanudo



Eu já tinha visto os pinguins dele numa edição da revista Piauí, e graças à minha irmã pude conhecer melhor o trabalho dele. Esse argentino é biscoito fino: Liniers, que nunca começou a desimaginar. Pra ver mais, clica aqui.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

As meninas dos quadrinhos




Samanta, Mauren, Chiquinha e Ana Luiza. Quatro meninas que fazem quadrinhos em Porto Alegre e estão na Zero deste domingo em matéria da Fernanda Zaffari. Para ver a matéria e os autorretratos, clica aqui.
Ah sim, a Mauren é minha irmã, minha catréfis, minha querida, e a pentelha do meu coração! Eu te adoro sua peste!

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Não eu

    Gato que brincas na rua
    Como se fosse na cama,
    Invejo a sorte que é tua
    Porque nem sorte se chama.

    Bom servo das leis fatais
    Que regem pedras e gentes,
    Que tens instintos gerais
    E sentes só o que sentes.


    És feliz porque és assim,
    Todo o nada que és é teu.
    Eu vejo-me e estou sem mim,
    Conheço-me e não sou eu.

    Fernando Pessoa, 1-1931
    ...........................................................

    Ilustração de Odilon Moraes.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Maria Flor



...................
Faz mt tempo que eu tava devendo pro blog, pra Camila e pra td mundo que gosta de ver coisas bonitas. Este é o filme da Camila Carrossine, e eu adoro! A música do filme tb é perfeita. Mas a minha paixão(não espalha!) são os sapatinhos da Maria Flor! Pronto, falei!
Mais Camila Carrossine aqui.
..........................................
Obrigada mana por me ensinar, obrigada ao Manuel por ter tentado me ensinar tb, rs. Falando nisso, antes que eu me esqueça: Tchê, é tri bom ter uma irmã! Pq às vezes a gente demora tanto tempo pra perceber o óbvio? Dã.
......................................................
Esse post é dedicado à Ana Carolina Steil, amiga querida, guerreira espartana, e que tá de aniversário hj. A Ana é bonita e delicada que nem a Maria Flor. Bjão minha querida!

o dilema de Juliana

avó Néia
se chamava Adelaide
se chamava domingo
de tarde

Juliana Meira
..................................................
Poema de uma das minhas poetas gaúchas favoritas, tá no livro poema dilema, lançado agorinha pela coleção Palavra Viva da editora Porto Poesia. Na palavraria tem, e não só o da Ju, a turma do Porto Poesia entrou nessa de cabeça e coração. Passa lá!
............................................................
Ilustração da fofíssima Camila Carrossine. Dá uma olhada aqui nos meus links, tem o site dela, que eu tb recomendo, muito.