terça-feira, 23 de junho de 2009

Pra não dizer que não falei de flores


O MAPA

Olho o mapa da cidade
Como quem examinasse
A anatomia de um corpo...

(É nem que fosse o meu corpo!)

Sinto uma dor infinita
Das ruas de Porto Alegre
Onde jamais passarei...

Há tanta esquina esquisita,
Tanta nuança de paredes,
Há tanta moça bonita
Nas ruas que não andei
(E há uma rua encantada
Que nem em sonhos sonhei...)

Quando eu for, um dia desses,
Poeira ou folha levada
No vento da madrugada,
Serei um pouco do nada
Invisível, delicioso

Que faz com que o teu ar
Pareça mais um olhar,
Suave mistério amoroso,
Cidade de meu andar
(Deste já tão longo andar!)

E talvez de meu repouso...

Mario Quintana
.............................................
Pra não dizerem que tá faltando poesia aqui. É um Quintana, pra mta gente é manjado, mas é tri! E na foto a Capitu, que mora comigo mas é paulista, e que hj tá mt lânguida e não me deixa teclar direito de ficar ronronando no meu colo.

8 comentários:

Teresa Azambuya disse...

Ah é, Quintana é tudo de bom messssssmo.
E que foto perfeita essa, hein? do olhar da Capitu... Ô gatinha manhosa!
Beijos, guria, saudades

Laurene Veras disse...

A Capitu é um poema de bigodes!

Manu disse...

É...... tá melhorando. Agora, estou sentindo falta dos poemas da Laurene, por onde ela anda? Deixou o blog com a estagiária de eventos?

Laurene Veras disse...

A Laurene foi ali tentar salvar a pele do Adorno e a própria e já volta...

Juliana Meira disse...

oi Lau,
concordo com o tri pro Quintana!

(=

bjs pra ti e pra Capitu

Manu disse...

Isso me faz lembrar de uma quadrinha de fácil digestão que compus imaginando a Capitu


Quando fui escrever o email
Me veio ao colo uma gata
E na mensagem, no meio,
Ficou uma marca da pata.


miau :)

Laurene Veras disse...

A-do-rei!!!

CoisasdeMaria disse...

Eta gata atoa

Bjosss