sexta-feira, 11 de junho de 2010

Insone




Nos fundos da madrugada
não se cala o pensamento.
Fala, fala, fala, fala...
No meio fio chora o vento.

No devir da madrugada
o silêncio é uma reticência
entre a lápide e o firmamento.

O pensamento,
este não cala!
Fala, fala, fala, fala...

Laurene Veras

Nenhum comentário: