segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Anacrônico porque contemporâneo de si mesmo



‎" Vou à minha adega
Beber o meu vinho;
Lá está um corcundinha,
Pegou minha garrafinha.
Vou à minha cozinha,
Cozinhar minha sopinha;
Lá está um corcundinha,
Quebrou minha panelinha."

Bucklicht Männlein
Des Knaben Wunderhorn

O pequeno corcunda
da poesia popular alemã.
..................................
Hannah Arendt no artigo sobre Walter Benjamin de "Homens em tempos
sombrios". Arendt batizou a primeira parte do artigo de "O corcunda",
pois segundo ela Benjamin teria sido companheiro da má sorte por toda
sua errática vida. Afortunados somos nós que o podemos ler hoje, quando
um cara à frente do seu tempo, como dizem, pode melhor ser compreendido.
Benjamin era anacrônico quando era contemporâneo de si mesmo.

Um comentário:

The Last Joke disse...

Lau,

como eu gosto de sua escrita!