sábado, 19 de fevereiro de 2011

Bucólicas





Para Tatiana Tesch

do cimo da coxilha
nem tanto ao chão
que me faça tão terrena
nem tanto ao céu
que me sinta
tão divina

Garibaldis
vencem vagas
de poemas

e salamandras
viram sonhos
de menina
...................

noite na fazenda

os olhos
respiram
as estrelas

Laurene Veras

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Ponyo



Produção de 2008, do mesmo diretor e estúdio de A viagem de Chihiro, sobre o qual escrevi no post anterior. Sosuke é um menino que vive perto do mar. Um dia encontra uma peixinho dourado, a qual chama de Ponyo. Ponyo decide que quer ser humana e viver ao lado de Sosuke. Filha de um feiticeiro e uma deusa, Ponyo sem querer libera uma magia antiga e poderosa que pode transformar nosso mundo para sempre. É muito bonito, como tudo que o Myiazaki faz. Disponível nas locadoras.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

A viagem de Chihiro

Hoje, amanhã e na semana que vem a programação continua ótima ali no cinema do campus central da UFRGS. Destaque para A viagem de Chihiro, animação do gênio Hayao Miyazaki produzida pelo Studio Ghibli. Chihiro é uma menina mimada, que numa viagem de mudança de cidade, acaba se deparando com um mundo estranho dominado por uma bruxa voluntariosa. Para libertar os pais de um feitiço bizonho e conseguir voltar para seu mundo, Chihiro tem de provar seu valor através de uma jornada árdua e fantástica, totalmente imprevisível. Um dos filmes favoritos da minha vidinha besta, lindo de morrer. A animação impecável e aquela imaginação extraordinária dos japoneses fazem do diretor um dos grandes da história do cinema. Entrada franca.
Para ver a programação da UFRGS e o endereço da sala, clica aqui






.

Além da cidade dos duendes





Ontem fui assistir Labirinto na Sala Redenção, há anos queria rever esse filme tão querido da minha infância. É uma história fantástica, cheia de criaturas e situações bizarras. Dirigido por Jim Henson, o criador dos Muppets, e produzido por George Lucas, esta fantasia de 1986 teve orçamento de 25 milhões de dólares e arrecadou pouco mais de12 milhões. Ontem eu entendi o motivo. Estrelado por David Bowie, o qual tb é responsável pela trilha sonora, e Jennifer Connelly, adorável na sua beleza adolescente, o filme vale mesmo pelos bonecos. O roteiro é sofrível. Lembro que quando era criança eu achei o filme incrível, mas ele só prende mesmo a atenção das crianças. De qualquer modo é bom ver Jennifer Connelly linda antes mesmo de ficar impressionantemente mais linda ainda, e David Bowie com calças legging justíssimas e no seu habitat natural, a cidade dos duendes. Sim, porque o Bowie convence mais como um rei dos duendes sedutor do que como ser humano normal. Há muito pouco de ordinário naquele par de olhos verzuis.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Balas perdidas

O PRIMEIRO QUE DISSE.
De Ferzan Ozpetek,(Mine Vaganti, 2010)
Comédia italiana, apesar de o diretor ser turco. Tomaso volta de Roma e decide contar a família que é gay, sem saber que o irmão também reserva uma surpresa. E as surpresas continuam a surgir na família de Tomaso enquanto seus amigos de Roma resolvem visitá-lo. Imagina um grupo de bibas abalando numa cidadezinha do interior da Itália...Cenas de chorar de rir e chorar de comoção.
Muito divertido e sensível, o filme conta a história de pessoas que não se ajustam à padrões de comportamento. São as "balas perdidas", imprevisíveis.
My favorite kind of people.





/>