quinta-feira, 25 de julho de 2013

Fico besta quando me entendem - entrevistas com Hilda Hilst

Uma compilação de entrevistas da escritora Hilda Hilst ao longo de décadas, na organização primorosa de Cristiano Diniz. Editora Biblioteca Azul. São Paulo, 2013.
Fisicamente o livro já é lindo de saída. Capa dura, fica em pé, rs, com ilustrações da própria Hilda. A arte é muito caprichada.
Uma aula de poética, ou para quem também gosta, uma autobiografia que se constrói através de um mosaico. É daqueles que a gente lê freando a vontade para que não acabe muito depressa.
De aquecer a mais dura alma nesse inverno glacial.
Meu último comentário é: compra e lê. La garantía no soy yo, es la Hilda Sabilda!




sábado, 20 de julho de 2013

Hilda Hilst, a estrela aldebarã

De tanto te pensar

De tanto te pensar, me veio a ilusão. 
A mesma ilusão 
Da égua que sorve a água pensando sorver a lua. 
De te pensar me deito nas aguadas 
E acredito luzir e estar atada 
Ao fulgor do costado de um negro cavalo de cem luas.
De te sonhar, tenho nada, 
Mas acredito em mim o ouro e o mundo. 
De te amar, possuída de ossos e abismos 
Acredito ter carne e vadiar 
Ao redor dos teus cismos. 
De nunca te tocar 
Tocando os outros 
Acredito ter mãos, acredito ter boca 
Quando só tenho patas e focinho.
De muito desejar altura e eternidade 
Me vem a fantasia de que 
Existo e Sou. 
Quando sou nada: égua fantasmagórica 
Sorvendo a lua n'água.

Hilda Hilst

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Poema Palito

Este trabalho foi um projeto que ficou em exposição na livraria Palavraria e no Centro Cultural Erico Veríssimo em 2008. Artistas plásticos gaúchos fizeram uma releitura gráfica de poemas de autores também gaúchos. Quem trabalhou com meu poema foi Jane Machado, que fez uma litogravura. Eu amei!
Clica na imagem para ver ampliado.