domingo, 22 de fevereiro de 2015

advertência

meu pai costumava me dar um conselho
que eu achava repugnante:
não crie grandes expectativas
quanto maior for a expectativa
maior será a decepção

eu achava aquilo de uma pobreza de espírito
de uma amargura tão funda
e sentia pena dele

então,
eu pensava
que aquilo significava
que eu não deveria alimentar os meus sonhos
e que de qualquer modo eu jamais os realizaria

era um conselho duro, sujo, feio
imoral

quem diria
que um dia
a compreensão me aproximaria
do aforisma paterno

deve ser isso
que chamam
ser velho

Confissão



a única vez
em toda minha vida
essa mesma vida
que já vai pela metade
só em outro tipo
de oportunidade
me senti tão só
como agora

de um extremo
cortante abandono
que não vem de fora:

quando eu estava perto do meu pai