terça-feira, 29 de dezembro de 2015

incomunicabilidade


meu medo, silêncio
o desejo, reticente
a pressa, uma metáfora

o suor, permanência
de, morando na tua pele
e, com fúria, impaciência
construir um castelo
para deixar a linguagem
ir à falência

Laurene Veras

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

invenção

se te penso
e te imagino
e muito

é por que és a ideia
a palavra
a ameia
na muralha
por onde espio
teus exércitos
teus meninos
fantasiados
de soldados

se te chamo
e te grito
e te reclamo

é por que és
o cheiro do café
na manhã solitária
o primeiro abrir de olhos
o sempre riso na pantalha

e te poemo
e sonho
percebo
e penso
essa breve melodia
uma quase surpresa

uma pequena
aleivosia
que cometo
contra minha
fortaleza

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Poema andarilho

Le Baiser, Pablo Picasso (1969)


você é o mítico painel
que o mestre espanhol
jamais criou:
a fúria está nos detalhes
uns olhos que furtam miragens
a boca difusa em contrastes
a pele que o cheiro deixou
(documento antibarbárie
nas cores de tantas bandeiras)
você é mosaico de olhares
picassos tarsilas riveras
vascos de prados e rayuelas
(pegadas que o vento apagou)
você é todos os lugares
espanhas não peninsulares
a luz que redime da dor

Laurene Veras